SP leva Emílio Ribas e Instituto do Câncer para a Baixada Santista

Secretaria de Estado da Saúde irá investir R$ 90 milhões para ampliar assistência em saúde na região

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo irá investir R$ 90 milhões para implantar um novo hospital estadual e um centro especializado em oncologia, além de ampliar o número de leitos para atendimento SUS (Sistema Único de Saúde) nos municípios da Baixada Santista.  O anúncio foi feito nesta sexta-feira, 11 de março, durante evento em Santos que contou com a participação do governador Geraldo Alckmin e do secretário de Estado da Saúde, Giovanni Guido Cerri.

Este é o primeiro pacote de medidas da “agência de Saúde” da Baixada, criada em janeiro e que reúne representantes do governo paulista e das prefeituras para debater conjuntamente medidas visando à melhoria da saúde na região. Os novos serviços deverão ser entregues até o final deste ano.

O Centro de Referência do Câncer, em Santos, terá apoio científico, tecnológico e de protocolos clínicos do Instituto do Câncer de São Paulo (Icesp), maior centro especializado em oncologia da América Latina. A nova unidade será implantada nas dependências do Hospital Guilherme Álvaro, que passa por ampliação e reestruturação de serviços.

O “Icesp II” irá oferecer atendimento integral, com serviços de radioterapia e quimioterapia, além de internação. Com tratamento disponível na região, os pacientes não precisarão mais se deslocar até São Paulo.

“O Estado oferecerá um serviço de excelência em tratamento de câncer e preocupado com a humanização do atendimento” explica o infectologista David Uip, coordenador da “agência”.

No Guarujá, será criado um hospital totalmente voltado para o atendimento de doenças infecciosas e parasitárias. O Instituto de Infectologia Emílio Ribas II funcionará no antigo Hospital Ana Parteira. Com uma parceria com a Fundação Faculdade de Medicina já existente, a unidade dará privilégio à contratação de profissionais da região.
O Emílio Ribas da Baixada terá 54 leitos de infectologia. O prédio também irá abrigar uma segunda unidade do Instituto Adolfo Lutz, que fará exames complementares aos já disponíveis no laboratório de Santos.

“A alta incidência na região de doenças como leptospirose e dengue exige que se tenha um serviço especializado para reduzir o número de óbitos de pacientes”, afirma Uip. “O objetivo é que essas instituições virem referência também para a formação de profissionais”.

Mais investimentos

Em Bertioga, o Hospital Municipal receberá investimentos para obra e aquisição de equipamentos, ampliando o número de leitos de 35 para 80. Será criada também a Unidade de Sustentação de Vida, com recursos e equipamentos capazes de reterem pacientes graves por pelo menos 48 horas, até que seja possível a transferência para um serviço de referência.

Na Praia Grande o Estado discutirá uma gestão compartilhada de leitos de alta complexidade com metas e indicadores a serem atingidos. A proposta é que a Secretaria da Saúde compre leitos no Hospital Irmão Dulce.

Em Peruíbe, será concluído o Ambulatório Médico de Especialidades  (AME), com atendimento em diversas clinicas. Os AMEs são unidades de alta resolutividade que oferecem consultas, exames e, em alguns casos, cirurgias em um mesmo local, proporcionando aos pacientes maior rapidez ao diagnóstico e ao tratamento dos pacientes e possibilitando, consequentemente, o desafogamento dos hospitais.

Também em Peruíbe haverá a reforma do pronto-socorro local, que se transformará em uma unidade hospitalar de pequeno porte, com 75 leitos para retaguarda e suporte aos pacientes.

Em Itanhaém, o Hospital Regional será ampliado. O número de leitos dobrará, passando de 70 para 140. Para Cubatão, a atenção primária será reforçada com pelo menos uma unidade básica de saúde.

Já em Mongaguá serão criados 19 leitos de clínica médica para adultos e outros 19 de clínica pediatra no Hospital Municipal “Dr. Adoniran”.

“A importância desses investimentos é criar uma rede de assistência metropolitana, com serviços integrados e de forma que a população tenha atendimentos especializados de qualidade na própria Baixada Santista. E é importante ressaltar que a implantação dos novos serviços será acompanhada da definição de metas assistenciais e indicadores de resultados, além da necessária preocupação com a formação profissional” afirma o secretário de Estado da Saúde, Giovanni Guido Cerri.
A Secretaria estuda investimentos que deverão ser realizados em outros municípios da região.

‘Agência’

A “Agência de Saúde” da Baixada Santista foi criada objetivo de planejar ações integradas para melhorar a saúde pública na região, incluindo a reorganização dos serviços, controle de doenças, prevenção e promoção de saúde. Desde então três reuniões já foram realizadas.

Liderado pela Secretaria por intermédio do médico infectologista David Uip, diretor do hospital estadual Emílio Ribas, o grupo contará com a participação dos secretários municipais de Saúde das nove cidades da Baixada (Santos, São Vicente, Praia Grande, Guarujá, Itanhaém, Mongaguá, Peruíbe, Bertioga e Cubatão) e representantes do Departamento Regional de Saúde, ligado à pasta, Secretarias de Estado de Saneamento, Educação e Desenvolvimento Social, Associação Paulista de Medicina e universidades da região.

O foco prioritário do trabalho é o desenvolvimento de iniciativas nas áreas de combate à dengue, redução da mortalidade infantil, regionalização do atendimento à saúde, ampliação de leitos hospitalares, medidas para prevenir surtos de viroses, saneamento, entre outras que forem consideradas prioritárias.

Fonte: assessoria de i mprensa da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo

Receba nosso News Letter

Anuncie aqui

Saiba mais: 11-4113-6820