MANIFESTO 
Escolas particulares se unem em prol 
de sobreviverem após a pandemia


Mantenedores de unidades de ensino básico ao médio pedem socorro para não 
quebrarem com a inadimplência e falta de recursos para folha de pagamento

Não é novidade que a pandemia afetou todos os setores da economia, sobretudo prestadores de serviço, que ficaram de mãos atadas e sem recursos para aguentarem e manter seus empreendimentos por meses fechados e sem entrada de recursos financeiros.

A área educacional é uma delas e mesmo que muitas escolas tenham tentado se reinventar com aulas à distância e seus professores dobrarem a carga horária para dar conta de aplicativos e gravações de vídeos, muitas unidades do setor privado correm riscos reais de terem de fechar suas as portas.

Os motivos estão ligados direta e indiretamente à pandemia, que afetou muitos pais com a diminuição de suas rendas e ou com a perda de seus empregos. Infelizmente este cenário é comum aqui em São Paulo e em outros Estados. Porém, os mantenedores de instituições de ensino básico a médio se uniram para pedir ajuda aos Governos e também aos pais que podem pagar e por seus motivos particulares não os fazem.

“As escolas possuem despesas que precisam ser honradas, especialmente para com seus professores, cuja dedicação está muito acima do que normalmente fariam em suas aulas presenciais. Somos uma cadeia de profissionais que sofrem desde o início da pandemia com a inadimplência e falta de reconhecimento de alguns setores da economia e da sociedade”, comenta Vânia Lira, diretora e mantenedora da rede de Colégios Branca Alves de Lima – Bal, em São Paulo.

Ela comenta ainda que os custos para se manter uma escola ativa, além de ter professores qualificados, há custos de água, luz, aluguel, equipamentos e ferramentas tecnológicas para tornar possível a transmissão e acesso dos alunos ao conteúdo e, infelizmente, tudo isso não está sendo coberto com os ganhos atuais.

“Muitos pais nos questionam sobre a qualidade, conteúdo e aplicação dos estudos à distância e, como resposta, mostramos todo o investimento empregado que justifica a continuidade dos pagamentos das mensalidades, com descontos das aulas extras e outros itens que deixaram de ser oferecidos. Nossos alunos, estão com suporte e acompanhamento pedagógico desde a primeira semana de paralisação. Eles não tiveram férias e nossos professores aprenderam a fazer vídeos, oferecer aulas on line ao vivo, tudo para não pararmos o ano letivo”, enfatiza Vânia Lira.

E mesmo com tantas inovações e investimentos que ninguém (escolas e pais) esperavam ter a necessidade em pleno ano de 2020, existem os dados alarmantes de perda de emprego de muitos pais que, para evitar problemas financeiros futuros, optaram por retirar seus filhos abruptamente da escola e migrar para o ensino público.

Quando uma escola recebe a notícia de que um de seus alunos terá de sair, é como uma dor no coração, a perda de um membro da família, segundo alguns mantenedores de escolas. Eles enfatizam que não podem fazer mais do que já proporcionaram, pois também não possuem recursos para manter bolsistas em suas unidades e seus professores também possuem contas e pagamentos para horarem. “Sentimos muito por ver alunos saindo das unidades e sabemos que faremos falta para cada um deles, pois não lidamos com números, mas pessoas, crianças que vimos crescer a partir dos quatro meses de idade. Para nós, é muito triste e por isso decidimos nos unir para pedir ajuda aos Governos e aos pais que são conscientes de todo o nosso trabalho realizado”, finaliza Vânia Lira.


União das escolas em prol da sobrevivência pós pandemia de Covid-19
Diante da Pandemia, alguns mantenedores de escolas particulares – do ensino básico ao médio –, que conseguiram alguma margem financeira para trabalhar, procuraram ajudar os pais mais necessitados com o objetivo de evitar a evasão ou inadimplência em grande escala. Porém, não são todas as instituições que puderam arcar com estes custos, o que vem se tornando uma bola de neve e está prestes a eclodir em um muro de burocracia e esquecimento para com o setor educacional.

“Sem margem financeira, com a inadimplência dos pais e sem apoio de crédito do Governo, muitos colégios estão na condição de, infelizmente, ter de encerrar suas atividades. E qual será o futuro das crianças atendidas? Como vamos fazer para suprir esta lacuna?”, indaga Vânia Lira, diretora e mantenedora do Colégio Branca Alves de Lima – BAL.


Pensando nisso, as escolas decidiram se unir criando um projeto intitulado de “União pelas Escolas Particulares de Pequeno e Médio Porte”. O propósito desse projeto é engajar e unir esforços para defender os legítimos interesses das escolas particulares. É uma forma de mostrar a toda a população que a escola é uma empresa que gera empregos e que está exercendo o seu trabalho da melhor forma, com todos os seus custos anteriores e novos.

É importante e necessário dizer que as escolas não tiveram seus custos reduzidos, pelo contrário, aumentaram mais, especialmente por terem de investir em novas ferramentas e tecnologia para suprir as necessidades de pais, alunos, professores e funcionários de diversas esferas.

O Colégio Branca Alves de Lima - BAL, por exemplo, para manter a qualidade do ensino ofertado, fez a aquisição de uma plataforma educacional com o objetivo de tornar as aulas remotas mais próximas da realidade presencial. E desde o início, na primeira semana de paralisação decorrente aos cuidados para evitar o contágio da Covid-19, a escola procura alternativas para não deixar seus alunos e pais desamparados, mantendo a mesma condição educacional.

Não fosse apenas este detalhe, a escola, também, percebeu a necessidade de proporcionar ajuda de custo aos professores para aquisição de internet de qualidade e com capacidade superior para que eles possam desenvolver suas atividades home office (à distância) na mesma proporção do ensino presencial. Ainda, a muitos custos, está fazendo todo o possível para manter o quadro de funcionários.


“Todos os dias temos muitos desafios para superar! E, quando pensamos no retorno provável dos alunos ao ambiente escolar, programado inicialmente para setembro, nós do Colégio BAL, já estamos desenvolvendo um Protocolo de Retorno, com indicação de todos os cuidados e ajustes que que pais, alunos, transportes escolares e funcionários possam realizá-los e garantir a segurança de todos.

E para colocar este protocolo de segurança em prática, as escolas estão com programações de treinamentos (com divisões de equipes, evitando aglomerações) para seus funcionários e, ainda, webinários (treinamento online) para todos os pais e alunos.

“Quando os alunos retornarem, as escolas estarão equipadas com termômetros, tapetes sanitizantes, máscaras, totens com álcool em gel, marcações para distanciamento, acrílicos de proteção e outros itens que possam garantir o distanciamento necessário e a segurança de saúde à todos”, comenta Vânia Lira.

Desta maneira, é possível perceber que tanto o Colégio BAL como outras instituições de ensino básico ao médio envolvidos no projeto intitulado de “União pelas Escolas Particulares de Pequeno e Médio Porte”, precisam de ajuda imediata. “Além de não termos suporte do Governo, lidar com a inadimplência e incertezas financeiras, temos de providenciar toda a estrutura de segurança para estar apto a receber seus nossos alunos, pois eles dependem de nós para terem um futuro melhor”.

Mesmo com o retorno das aulas presenciais ainda não determinadas para os próximos meses, que dependem da liberação do Ministério da Saúde, os colégios, sobretudo o BAL, realizou uma pesquisa de campo juntos aos pais e responsáveis para saber a opinião deles sobre a volta ou não das aulas físicas em suas unidades. “O resultado é surpreendente, pois cerca de 70% dos pais não se sentem seguros em enviar seus filhos para as escolas até o final do ano, mesmo que estejam devidamente seguras para recebê-los”, comenta Vânia Lira.

Diante deste cenário e com o dilema de falta de recursos para manter as instituições de ensino de portas fechadas e ou garantir a segurança de alunos, pais, professores e funcionários, as escolas se unem e pedem ajuda para terem voz diante de um abismo sem precedentes.

Revolução dentro das escolas para ofertar o melhor possível aos seus alunos:

Desde o início da Pandemia, as escolas de todas as faixas etárias, precisaram se reinventar e se organizar para dar continuidade da melhor forma possível ao ano letivo de 2020, atendendo as necessidades dos alunos, pais e das próprias instituições.

Toda esta organização não foi e não está sendo fácil, uma vez que é preciso levar em consideração a estrutura do colégio, a condição de internet de pais e professores, a disposição de dispositivos diversos, a adequação de tempo para conciliar o trabalho home office com a educação dos filhos, além das incertezas financeiras que muitos pais sofreram com redução salarial ou até a sua demissão.

Um fator importante para ser ressaltado e enfatizado é que um dos alicerces das escolas são os docentes e para que continuem trabalhando e atendendo as necessidades e expectativas das famílias, precisam também ter os seus empregos garantidos.

Além da folha de pagamento, muitas escolas atuam em prédios alugados, possuem contratos com empresas que prestam serviço e não puderam ser totalmente cancelados ou congelados, além das despesas básicas que devem ser mantidas. “As contas continuam chegando, temos equipes dentro das escolas trabalhando para o administrativo funcionar e atender aos pais que precisam de ajuda, bem como negociar dívidas, da mesma maneira em que há necessidade de manter ativo e mil por cento a equipe pedagógica e prestadores de serviços. Por isso e por muitos outros motivos precisamos de ajuda, de voz para sermos vistos!”, clama Vânia Lira.

E, partindo destas necessidades, muitas perguntas ficam sem respostas, no vácuo: Como manter a escola ativa se os pais estão enfrentando dificuldades financeiras e como consequência alguns acabam se tornando inadimplentes?

Infelizmente, esta pergunta só poderá ser respondida quando de fato as escolas tiverem ajuda dos Governos e a conscientização de pais que podem pagar e que não o fazem por diversos motivos. “Não queremos parar nossas atividades. No Brasil, quem atua na área de educação a faz por amor e vocação. Não enriquecemos e tão pouco cobramos além do que é justo ou praticável pela qualidade. Precisamos de ajuda e para ontem. Do contrário, tememos pelo futuro de nossos alunos e de nossos profissionais. Para todas as profissões, existe a necessidade do aprendizado e este tem como base e alicerce fundamental o ensino básico, fundamental e médio”, finaliza Vânia Lira.
Texto:
 Carina Gonçalves – jornalista (MTB: 48326)
e Miriam Sepulvida – MKT Colégio Bal

Leia Mais ►

Doenças respiratórias: período de inverno
 requer ainda mais cuidados e prevenções

Com a chegada do inverno, acende-se o alerta para os cuidados com as doenças respiratórias. Isto porque, nesta época, a baixa umidade do ar e as alterações de temperatura favorecem a ocorrência de tosse, espirros e alergias. Além disso, apesar das atuais recomendações de distanciamento, ambientes como o interior de transportes públicos, com janelas fechadas, tornam-se propícios para a propagação de vírus e bactérias responsáveis por estas condições.
Quando falamos de doenças respiratórias, as mais comuns são gripes, resfriados, rinite alérgica, sinusite, bronquite, pneumonia e asma, que podem ter sintomas mais leves como também mais severos. Por isso é importante que os cuidados sejam recorrentes.
Considerando o momento que vivemos pela pandemia do coronavírus, estes cuidados devem ser ainda maiores, já que os sintomas de muitas destas doenças são bem parecidos com os da Covid-19, como a gripe e coriza. Além disso, ambas as condições se propagam por gotículas de saliva, tosse, espirro ou por passar a mão infectada nos olhos, nariz e boca, e podem trazer complicações se não tratadas corretamente. Por esta razão também é tão importante se imunizar contra a gripe, com a vacina trivalente disponível nas redes pública e privada de saúde.
Para ajudar a evitar essas doenças, é indicado evitar aglomerações e ambientes fechados, dando sempre preferência a locais ventilados; higienizar as mãos após espirros e tosses; evitar o contato com o rosto após tocar em outras superfícies; arejar a casa; lavar e secar bem as roupas de inverno antes de serem usadas, principalmente se elas ficaram guardadas por muito tempo; manter hábitos saudáveis, como uma alimentação equilibrada, atividades físicas e ingestão de líquido e, se possível, tomar a vacina da gripe anualmente.
“O uso de máscaras de proteção, que agora já faz parte do cotidiano do brasileiro, deveria ser adotado mesmo quando todo o cenário do coronavírus passar. Em qualquer sintoma gripal, a máscara pode evitar a contaminação de outras pessoas que podem passar por você pelo seu caminho. Outra atenção que devemos ter é a de não subestimar estas doenças. É muito comum que gripes, sinusites e outras tenham seus sintomas e efeitos acentuados com a falta de tratamento e cuidados adequados, podendo gerar consequências graves ao paciente”, afirma o pneumologista dr. Osvaldo Sabino da Clínica IMUVI, do Hospital HSANP.  
Além disso, o pneumologista alerta: “Em caso de febre, tosse com escarro amarelado e dor torácica, que durem mais que um dia, procurar o serviço de saúde e consultar o médico para evitar, possíveis internações e/ou internar, quando necessário, com brevidade para evitar complicações graves e propiciar alta hospitalar com precocidade. Os sintomas mencionados nunca devem ser subestimados. Todo cuidado é necessário neste momento para preservar nossa saúde e a de quem faz parte do nosso convívio."
Sobre o Hospital HSANP
Produto de investimentos de um grupo de médicos e gestores especializados na área de saúde que possuem mais de 15 anos de experiência. Busca ser referência na Região Norte da Grande São Paulo e um dos melhores hospitais de toda a cidade e servir à densa população dessa região, profissionais da área de saúde e operadoras de assistência médica com toda comodidade, evitando deslocamentos arriscados.
Imuvi HSANP
Endereço: R. Maria Amália Lopes Azevedo, 147 – Tremembé
Telefone: (11) 3531-6666
Fonte: assessoria de imprensa
Leia Mais ►

Curso gratuito explica como integrar as inteligências física, intelectual, emocional e espiritual

Curso da Quadrinidade pode ser feito em quatro aulas online ministradas por 
Heloísa Capelas, uma das maiores especialistas em autoconhecimento do Brasil
Centro Hoffman
Quando concebeu o Processo Hoffman da Quadrinidade, em 1967, o norte-americano Bob Hoffman não imaginava que seria o responsável pelo maior treinamento de autoconhecimento do planeta. Cinquenta anos e 100 mil alunos depois, a metodologia ganhou o mundo e se consolidou por seus resultados positivos. Para apresentar a técnica, Heloísa Capelas, uma das maiores especialistas neste treinamento no Brasil, lança um curso online gratuito para todos aqueles que querem se aprofundar no conceito da Quadrinidade.
No Curso da Quadrinidade, composto por 4 videoaulas rápidas, Heloísa explica como cada um pode fazer para começar a reconhecer e integrar as inteligências física, intelectual, emocional e espiritual. Essas diferentes dimensões vivem na maior parte das pessoas em completo desequilíbrio, impedindo o alcance dos verdadeiros potenciais individuais. “Por falta de autoconsciência, a maior parte de nós desconhece essas habilidades, gerando confusão mental, ansiedade, depressão, entre outros problemas”, explica a especialista.
Ao longo do programa, ela mostra algumas orientações e exercícios para equilibrar essas competências. Além das aulas, estão inclusas mini apostilas e áudios com viagens mentais para exercitar cada uma das inteligências.
Enquanto a inteligência física é composta por tudo que envolve o nosso corpo, a habilidade intelectual se refere à capacidade de racionalizar – sendo geralmente a dimensão que as pessoas mais investem em detrimento das demais. Já a inteligência emocional envolve a competência de tomar decisões com base não só nos raciocínios lógicos, mas também nos sentimentos. E a inteligência espiritual é formada pela sabedoria interna e intuição, independentemente de religião ou religiosidade.
O Processo Hoffman da Quadrinidade é, hoje, aplicado em mais de 15 países. Sua eficácia já foi comprovada por instituições renomadas, como a Universidade Harvard e a Universidade da Califórnia.
Sobre a Heloísa Capelas
Heloísa Capelas é CEO do Centro Hoffman e, há mais de 35 anos, está à frente do Processo Hoffman no Brasil – treinamento de autoconhecimento aplicado em 15 países e que já teve seus resultados cientificamente atestados. 
Por sua sala de aula, já passaram mais de 10 mil alunos, entre os quais algumas das principais lideranças e gestores do mercado nacional. 
Autora dos best-sellers “O Mapa da Felicidade” e “Perdão, a Revolução que Falta”, Heloísa é reconhecida como uma das principais especialistas do País em autoconhecimento, inteligência emocional, inteligência espiritual e inovação pessoal.

Fonte: assessoria de imprensa
Leia Mais ►

Fiocruz coordena estudo pioneiro na 
Profilaxia Pré-Exposição ao HIV
Estudo comparou a eficácia e a segurança em 4.570 voluntários HIV negativos 
da PrEP contendo CAB-LA com a PrEP com Truvada

O estudo clínico internacional HPTN 083 comprovou que a Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PrEP) contendo Cabotegravir injetável de ação prolongada (CAB-LA) utilizado a cada oito semanas obteve eficácia superior ao Truvada na Prevenção da infecção pelo vírus. “Esta é uma conquista sem precedentes para o campo da prevenção do HIV. A PrEP com CAB-LA é uma estratégia nova e poderosa que pode realmente fazer a diferença no controle da epidemia de HIV/Aids”, destacou Beatriz Grinsztejn, chefe do laboratório de Pesquisa Clínica em DST e Aids do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz). Beatriz coordenou a nível global o ensaio clínico em parceria com Raphael Landovitz, professor associado da Divisão de Doenças Infecciosas da David Geffen School of Medicine, na Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA). O anúncio foi feito durante o 23ª Conferência Internacional de Aids (Aids 2020).

O estudo foi realizado pela rede de pesquisa HIV Prevention Trials Network (HPTN) e financiado pelo National Institute of Allergy and Infectious Diseases/National Institutes of Health (NIAID/NIH) dos Estados Unidos. A Unidade de Ensaios Clínicos em HIV/Aids liderada pela pesquisadora Beatriz Grinsztejn integra o HPTN desde 1999. 
HPTN 083
O HPTN 083 foi o primeiro ensaio clínico em larga escala contendo um medicamento injetável de ação prolongada para prevenção ao HIV. O estudo comparou a eficácia e a segurança em 4.570 voluntários HIV negativos da PrEP contendo CAB-LA com a PrEP com Truvada. Participaram da pesquisa homens gays, outros homens que fazem sexo com homens, mulheres travestis e trans que fazem sexo com homens, em 43 centros de pesquisa de sete países (África do Sul, Argentina, Brasil, Estados Unidos da América, Peru, Tailândia e Vietnã). A inclusão teve início em novembro de 2016. Dois terços do grupo de participantes têm menos de 30 anos e 12% são mulheres trans e travestis. A coordenação clínica do estudo no Laboratório de Pesquisa Clínica em DST e Aids do INI/Fiocruz foi feita por Lara Esteves Coelho, pesquisadora da unidade, que é o centro de pesquisa que incluiu o maior número de participantes (240) entre todos os centros do mundo.
Os participantes, todos considerados sob risco aumentado de adquirir o HIV, foram aleatoriamente designados para receber PrEP contendo Cabotegravir injetável de ação prolongada (CAB-LA) a cada oito semanas ou Truvada diariamente. O desenho do ensaio clínico previa que cada voluntário receberia Cabotegravir ou Truvada por três anos na fase cega do estudo (quando nem os participantes nem os pesquisadores sabem que medicamento os pacientes estão recebendo).
Na primeira das três análises intermediárias previstas no protocolo, o Comitê de Monitoramento de dados e Segurança verificou que os dados mostravam a superioridade da PrEP contendo Cabotegravir injetável de ação prolongada (CAB-LA). Entre os que usaram Cabotegravir, a taxa de aquisição da infecção pelo HIV foi 66% mais baixa do que entre os que usaram Truvada em dose diária. No total de 52 pessoas que adquiriram o HIV durante o estudo, 39 estavam alocadas no braço Truvada e 13 no braço Cabotegravir.
“O HPTN 083 foi o primeiro estudo de PrEP a ser desenhado com foco nas populações mais vulneráveis entre os vulneráveis, que até então estavam pouco representadas nos estudos anteriores de PrEP: jovens, negros, travestis e mulheres Trans. Os resultados vão contribuir para diminuir a disparidade no acesso aos benefícios da PrEP”, afirmou Grinsztejn. O estudo será apresentado por Beatriz Grinsztejn durante a 23ª Conferência Internacional da Aids (Aids 2020) nesta quinta-feira (9/7).
Rede HPTN
A Rede de Ensaios de Prevenção ao HIV (HPTN) é uma rede mundial de ensaios clínicos colaborativos que reúne pesquisadores, especialistas em ética, membros da comunidade e outros parceiros para desenvolver e testar a segurança e a eficácia de intervenções projetadas para impedir a aquisição e transmissão do HIV. O HPTN colabora com mais de 85 locais de pesquisa clínica em 19 países para avaliar novas intervenções e estratégias de prevenção do HIV em populações consideradas mais vulneráveis à infecção. A agenda de pesquisa da HPTN - mais de 50 ensaios em andamento ou concluídos com mais de 161 mil participantes inscritos e avaliados - concentra-se principalmente no uso de estratégias integradas: uso de medicamentos antirretrovirais (terapia antirretroviral e profilaxia pré-exposição); intervenções para abuso de substâncias, particularmente uso de drogas injetáveis; intervenções comportamentais de redução de risco e intervenções estruturais.
Fonte: assessoria de imprensa
Leia Mais ►

E-book traz conteúdos antirracistas para crianças e educadores

Elaborada pela Piraporiando, publicação tem distribuição gratuita e 
 pretende inspirar a prática de educação antirracista em casa e na escola

Crédito: Cláudia Lima/Divulgação


Como inspirar famílias e educadores a colocarem a educação antirracista em prática? Esta é a proposta do e-book ‘Conteúdos antirracistas para crianças e educadores’ organizado pela Piraporiando, edtech que atua na área de educação para a diversidade e tem como pilares a educação antirracista, antibullying e sem preconceitos. A publicação traz iniciativas e referências de autores, pesquisadores, educadores, pensadores, artistas e projetos que reforçam o protagonismo negro na sociedade e provocam a reflexão. 

A curadoria selecionou livros, vídeos educativos, filmes, clipes musicais, desenhos dentre outras indicações. "O conteúdo não é direcionado apenas às crianças e adultos negros. É direcionado a todos e todas que acreditam na necessidade de termos uma educação antirracista. A  ideia de que esta é uma luta dos negros é, dentre outras coisas, perversa. Precisamos que esta pauta seja reconhecida como elemento central de nossos problemas e desigualdades e é preciso que toda a sociedade se posicione”, afirma Janine Rodrigues, fundadora da Piraporiando. 

Segundo ela, o e-book contempla conteúdos que somam na educação antirracista e que compreende crianças negras, brancas e de todas as etnias assim como seus educadores. “É preciso reconhecer nosso lugar de protagonismo, contadores de nossa própria história’’, diz Janine. 

O ebook da Piraporiando está dividido em quatro categorias: 10 obras literárias afro-brasileiras para crianças; 10 referências de projetos de educação antirracista para sua casa e para sua escola; 10 vídeos para educadores sobre educação antirracista; e 10  filmes e clipes de música para crianças, que celebram a cultura afro brasileira

Para receber é preciso acessar o link https://bit.ly/Conteudo-antirracista e baixar gratuitamente. 
Sobre a Piraporiando
Fundada em 2015, a Piraporiando desenvolve o Programa de Educação para a Diversidade,  alinhado à BNCC - Base Nacional Curricular Comum , aos pilares da UNESCO e as ODS´s  (Objetivos do Desenvolvimento Sustentável). O trabalho da Piraporiando já alcançou 17 estados do Brasil, além de países como a Alemanha, Argentina, Peru, Suíça, Colômbia e Espanha.  
Foi eleita em 2019 uma das EdTechs de maior impacto no cenário da educação - Liga Insights EdTech em parceria com a F, Saint Paul, Kroton, Ser Educacional, Adtalem, CEL.LEP, ESPM dentre outros. Reconhecida pela Associação Brasileira de Startups (Abstartups) e pelo Centro de Inovação para a Educação Brasileira (CIEB). 
Chancelada pela Fundação Palmares pelo trabalho em prol da Educação Antirracista. Prêmio Criança da Fundação Abrinq 2018. Selo Retratos da Leitura, do Instituto Pró-Livro. Integrante da Rede Nacional de Proteção a Primeira Infância. Integrante do Mapa Cidades Sustentáveis, produzido pelo Quintessa e Instituto Vedacit para visibilizar organizações que atuam para o desenvolvimento de cidades sustentáveis e que atendem os ODS.

Fonte: assessoria de imprensa
Leia Mais ►

Shopping Metrô Tucuruvi comemora o amor neste dia dos namorados com a campanha Deu Match


Shopping center criou uma plataforma de paquera virtual para quem está procurando um novo par e uma vitrine especial em seu site para casais compartilharem presentes com segurança e conforto


O Shopping Metrô Tucuruvi preparou um Dia dos Namorados especial para celebrar o amor mesmo em tempos de quarentena. A campanha Deu Match reúne uma vitrine virtual exclusiva no site do shopping center para que os casais escolham e compartilhem presentes que serão entregues por delivery ou no drive-thru do empreendimento. A programação inclui ainda quem está procurando um novo relacionamento com a plataforma de paquera Deu Match.

“Estamos engajados no combate à propagação da covid-19 e sabemos como é difícil estar longe de quem amamos em datas tão especiais. Nosso shopping center é cenário de muitos encontros, faz parte do dia a dia de casais na hora programa especial para viver experiências memoráveis. Por isso, mesmo à distância, estamos junto de nossos clientes e buscamos nesse Dia dos Namorados conectar pessoas com segurança”, convida Fabricio Cunha, gerente de Marketing Corporativo da Saphyr Shopping Centers.

O site www.shoppingmetrotucuruvi.com.br reúne presentes para todos os gostos e bolsos das melhores marcas do shopping center em uma vitrine virtual. O mimo é escolhido na página e o cliente combina com o lojista se quer receber em casa pelo sistema de delivery ou pode buscar no drive-tru no estacionamento do shopping center. O catálogo on-line ganha também o botão Deu Match, para que o cliente possa enviar o presente escolhido por whatsapp para quem desejar.

O Shopping Metrô Tucuruvi continua sendo palco de encontros, agora on-line, com uma plataforma virtual de paquera exclusiva. Basta entrar no site e responder o questionário sobre gostos e preferências e a campanha Deu Match faz o resto do trabalho, formando casais que se conhecerão pelas redes sociais ou por e-mail até poderem se encontrar pessoalmente quando a quarentena acabar. Mas atenção: só pode participar quem é maior de idade.

Confira como participar da campanha Deu Match:

Para sugerir o que quer receber nessa data especial: entre na vitrine virtual pelo site www.shoppingmetrotucuruvi.com.br, a partir do dia 2 de junho, e envie na hora pelo whatsapp apertando no botão Deu Match. O presente pode ser entregue por delivery ou no drive-thru do shopping center.  

Para achar sua nova cara metade: Entre na plataforma de paquera do shopping center no site na aba Deu Match, e preencha o questionário. Será enviado um e-mail para os casais formados de acordo com as semelhanças de gostos e preferências que que combinam e os tornam um casal com potencial.

O Shopping Metrô Tucuruvi é administrado pela Saphyr Shopping Centers, uma das principais companhias do setor no Brasil, e está trabalhando para facilitar o dia a dia de todos nesse período de distanciamento social, buscando oferecer sempre experiências memoráveis e bem-estar com ainda mais segurança e conforto durante a pandemia. Saúde é prioridade e o Grupo Saphyr e todos os seus empreendimentos estão comprometidos com a sociedade para vencer a covid-19. O combate ao avanço do novo coronavírus é um esforço coletivo que depende do engajamento individual de todos. 

Fonte: assessoria de imprensa
Leia Mais ►

Decanter promove curso com degustação online de vinhos

Com aulas temáticas ao vivo, o sommelier Tiago Locatelli degusta os mesmos rótulos
 que os participantes, tirando dúvidas e trocando experiências.


Em meio ao isolamento social em que vivemos, muitas pessoas dedicam o seu tempo para adquirir novos aprendizados. Para os amantes do vinho, a quarentena é uma ótima oportunidade para aprender sobre os mais variados temas do mundo da bebida. Pensando em iniciativas para o período de isolamento social, a importadora de vinhos Decanter promove um curso com degustação online nos dias 4 e 18 de junho, 2 e 16 de julho com o sommelier eleito o melhor do Brasil, Tiago Locatelli, para quem deseja aprender mais sobre o universo dos vinhos durante a quarentena.

A pré-venda do curso com degustação online já começou e possui uma promoção especial para os clientes do site da Decanter, das lojas de Blumenau São Paulo e Florianópolis. As vagas são limitadas e para participar é necessário acessar o site www.decanter.com.br e escolher os kits de vinhos disponíveis para as aulas. O cliente faz o pagamento e recebe os vinhos em casa. As degustações serão transmitidas pelo Zoom, aplicativo gratuito e disponível para IOS e Android.

O curso terá aulas temáticas ao vivo, com informações completas sobre regiões, métodos de produção, tipos de uvas, estilos de vinhos, harmonizações, brindes especiais, grandes seleções de vinhos com descontos exclusivos com frete grátis e muito mais. Com um material preparado para qualquer nível de conhecimento no mundo dos vinhos, as aulas terão duração de 1h30min, onde os participantes degustam os mesmos rótulos que o sommelier, tirando dúvidas e trocando experiências.

Confira a programação:

4 de junho: Sicília: Uvas e estilos de umas das culturas mais ricas do mundo;
18 de junho: Pinot Noir, a mais caprichosa uva tinta;
2 de julho: Uvas ícones do Novo Mundo;
16 de julho, Portugal clássico: o melhor das regiões mais famosas.

Decanter

Uma das maiores e mais destacadas importadoras de vinhos do Brasil, a Decanter foi eleita a Importadora do Ano, na edição anual de vinhos da revista Gula. Fundada em Blumenau, em 1997, conta com mais de 50 distribuidores por todo o país, além da rede de Enotecas Decanter. Seriedade, respeito ao cliente e uma política de preços convidativos têm sido alguns dos suportes desse crescimento. No entanto, é a esmerada seleção de vinhos que dá corpo à empresa.

Fonte: assessoria de imprensa
Leia Mais ►


Planejamento Financeiro é tema do 3º Curso da 
Mais Abraços Academy parceria entre Huggies e B2mamy


Encontro gratuito e online acontece no dia 27 de maio, às 14h30, e tem por objetivo
 ajudar a capacitar mães que já empreendem ou que desejam empreender



Para oferecer uma rede de apoio a mães empreendedoras ou que desejam começar a empreender, Huggies®, marca da Kimberly-Clark com soluções completas de cuidado para os bebês, uniu-se à aceleradora B2Mamy para capacitar gratuitamente 100 mil mulheres, dando ferramentas para que elas possam ser protagonistas de suas histórias por meio de educação e tecnologia.

Na plataforma Mais Abraços Academy, ferramenta desenvolvida por Huggies® em parceria com a B2Mamy, mães que desejam iniciar ou organizar suas empresas participam de uma jornada de capacitação para conquistarem novos setores da economia e assumirem posições de liderança. Os cursos oferecidos são gratuitos e online.

O tema “Planejamento Financeiro” foi o eleito para encerrar os encontros do mês, nesta quarta-feira, 27 de maio, das 14h30 às 17h30. O conteúdo será apresentado de forma didática e explicará como colocar números no Excel, validar se o produto ou serviço é financeiramente viável, quanto custa e por quanto vai vender.

O painel será apresentado por quem mais entende do assunto e domina como ninguém como imergir nesse mundo com processos mais ágeis. De forma descontraída e esclarecedora, o curso contará com a participação de Carol Sandler, fundadora do Finanças Femininas, maior plataforma online do Brasil em empoderamento feminino por meio da educação financeira, além de ser autora de diversos livros sobre o tema. Outra participante do painel é Viviane Ferreira, fundadora do ElaInvest, especialista em palestras e treinamentos de temas relacionados a finanças pessoais, investimentos, felicidade e superação, além de oferecer serviço de gestão patrimonial e financeira.

Completa o painel Jaqueline Lamente, COO na FCJ Venture Builder, especialista em inovação em gestão estratégica de negócios com startups e construtechs. Quem também fará participação especial é Juliana Lopes, co-founder e CFO da B2Mamy, empresária há mais de dez anos à frente do financeiro da Injoy Marketing, além de mentora em eventos de startups, ajudando em modelo de negócio, precificação e pitch com foco em investimento. 

Para se inscrever e participar, basta seguir os passos abaixo: 

Acessar o link no Instagram das empresas, @b2mamy e @huggiesbrasil, ou este link, cadastrar-se e receber o convite para a aula online.

CAPACITAÇÃO FEMININA

Com mais de três anos de atuação no mercado, a B2Mamy já acelerou mais de 170 empresas e capacitou mais de 7 mil mulheres. As últimas turmas formadas pelo Pulse, juntas, já faturaram mais de R$ 4 milhões. Além da aceleração, as empresas ficarão incubadas por quatro meses na Casa B2Mamy para as rodadas de mentoria, networking e investimento.

Neste momento de incertezas, educação e tecnologia são pilares para uma mudança próspera, por isso Huggies se uniu à B2Mamy para oferecer ferramentas para que mães possam se desenvolver. “Criamos produtos que contribuem para tornar a vida melhor e, por isso, entendemos a necessidade de ajudar no desenvolvimento materno para que a jornada ao lado do bebê seja um pouco mais tranquila”, destaca Patricia Macedo, diretora de Marketing da Kimberly-Clark.

Sobre Huggies®: 

Huggies® é a marca de cuidados para bebês da Kimberly-Clark, que oferece uma linha completa de produtos para a hora da troca, hora do banho e pós-banho, incluindo fraldas, toalhas umedecidas, shampoo, condicionador, sabonete e creme de assaduras. No Brasil desde 1996, lançou no país as fraldas “roupinha”. A marca que tem “abraço” em seu nome – mistura de “Hug” (abraço), com “Babies” (bebês), acredita no poder desse gesto como elemento essencial e encorajador para o desenvolvimento das crianças e se inspira nele para a criação de soluções e produtos para as famílias. Para saber mais sobre a marca e o poder do abraço, acesse o site https://www.huggies.com.br e siga os perfis no Facebook e Instagram.

Sobre a Kimberly-Clark Brasil - com mais de 20 anos de presença no Brasil, a Kimberly-Clark tem a missão de liderar o mundo no que é essencial para uma vida melhor. Reconhecida pelo seu pioneirismo e inovação nos setores de higiene pessoal e bem-estar, a empresa revoluciona a relação dos brasileiros com a higiene pessoal por meio de seus produtos de alta qualidade e tecnologia, como Huggies®, Intimus® e Neve®. Além de oferecer produtos que já fazem parte do dia a dia dos brasileiros, a companhia atua no segmento institucional por meio da K-C Professional, oferecendo soluções de higiene e segurança para bares, restaurantes, indústrias e empresas. Atenta às movimentações do mercado nacional e internacional, a Kimberly-Clark busca surpreender seus consumidores renovando seu portfólio constantemente. A linha completa da empresa no país conta com: Scott Duramax®; guardanapos Grand Hotel®; papel higiênico Neve®; lenços umedecidos Neve®; lenços de papel Kleenex®; fraldas Huggies®, toalhas umedecidas Huggies®; linha banho e pós-banho Huggies®; produtos para incontinência urinária Plenitud®; absorventes Intimus Gel® e Intimus® Interno; protetores Intimus Days®; lenços umedecidos e sabonete íntimo Intimus®.


Siga a Kimberly-Clark  / http://www.kimberly-clark.com.br

Fonte: assessoria de imprensa 
Leia Mais ►

 Covid-19 x Crianças

 

Por Dra. Fernanda Bombarda – CRM: 95033
 Pneumologia Infantil

Muitas pessoas têm dúvidas sobre o Covid-19 e suas complicações, especialmente para o sistema imunológico. E diante deste novo cenário, com uma doença ainda sem cura e sem vacina, diversos estudos estão sendo realizados para identificar e, também, minimizar o estrago causado por este vírus que já matou milhares de pessoas pelo mundo. No texto de hoje vamos esclarecer algumas dúvidas recorrentes e explicar as melhores medidas para ficar longe do risco de contágio. Abaixo está elencado algumas dúvidas com relação ao Covid-19 e suas respostas.

Origem do nome Covid-19:
O nome científico da doença é SARS-CoV-2 (sigla do inglês, Severe Acute Respiratory Syndrome - Coronavirus e recebeu a denominação de COVID-19 (do inglês, Coronavirus Disease 19).

O Covid-19 é menos agressivo em crianças?
Sim. Estudos científicos revelam que as crianças podem ser contaminadas e serem assintomáticas, ou seja, transmitem a doença e não desenvolvem os sintomas. Ainda, devido ao perfil leve da doença para esta faixa etária, temos poucos relatos de complicações e hospitalizações e raríssimos casos com desfechos fatais. Segundo os estudos, não há definição exata sobre a resposta inflamatória do organismo, além da patologia do vírus sobre a lesão pulmonar. O diagnóstico pode ser clínico e por epidemiologia. É importante ressaltar sobre os cuidados com outras doenças virais e respiratórias como síndromes gripais, asma, rinite e sinusite que precisam de acompanhamento médico contínuo, cujo podem ser agendado na clínica, sendo o local de maior segurança neste momento da pandemia.

Como se dá o contágio em crianças?
Em sua grande maioria dos casos, percebeu-se que o contágio ocorreu por meio de familiares contaminados e em trânsito, ou seja, que estiveram fora de casa e trouxeram o vírus. Nas crianças, percebeu-se que a doença pode ficar incubada entre 5 a 7 dias, sendo assintomáticas em 99% dos casos, sem sintomas ou apresentando quadros leves à moderados como de síndromes gripais com febre, tosse, coriza, vômito, diarreia, aumento de frequência respiratória, chiado, congestão nasal, dor de garganta e até pneumonia.

Suplementação de vitamina D ajuda a evitar o contágio do Covid-19?
Não. A suplementação de vitamina D, sem prescrição médica, não melhora o sistema imunológico e, também, não protege do contágio e complicações do Coronavírus. A superdosagem ou intoxicação desta vitamina pode causar sintomas graves como, por exemplo, náusea, vômito, poliúria (urinar em excesso), fadiga, constipação, desidratação, nefrolitíase (pedras renais) e confusão mental.
A principal fonte de fornecimento de vitamina D é o Sol e com o isolamento social muitos não conseguem mais ficar expostas à ele. Porém, em pessoas normais, com saúde estável, os depósitos corporais de vitamina D são satisfatórios para manter os níveis mesmo com limitação à luz solar.

É possível desenvolver dermatites pelo contágio do Covid-19 em crianças?
Não existem estudos científicos que comprovem alteração cutânea e ou diagnóstico de infecção dermatóide pelo Covid-19, até o momento. No entanto, observa-se que algumas doenças dermatológicas apresentam piora dos sintomas cutâneos em pessoas contaminadas pelo Covid-19 e podem ter relação com estresse emocional.  Ainda, muitas infecções virais associadas podem desenvolver algum tipo de lesão de derme, seja pela doença ou pelo período de hospitalização e higiene aplicada. Vale ressaltar que pacientes com doenças crônicas como dermatite atópica (DA), que pode ser associada a doenças respiratórias, precisam receber orientações e ter acompanhamento médico – presencial ou remoto.

O contágio de Covid-19 pode ocorrer através dos olhos e causar conjuntivite?
Estudos sugerem que a contaminação pelos olhos ainda não está provada cientificamente, mas o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) recomenda o uso de máscaras cirúrgicas com óculos ou protetores faciais (face shield), que garantem maior proteção de contato contra o vírus. Ainda, observou-se que infectados apresentaram conjuntivite folicular leve, parecida com infecção adenoviral, igualmente de outras causas e pode ser transmitida, também, pelo contato com a conjuntiva e lágrima. A comunidade oftalmológica concorda que pacientes com conjuntivite, que apresentaram sintomas respiratórios e febre, são potenciais portadores de Covid-19. Ainda, recomendam a constante higiene das mãos, braços e rosto, com água e sabão, além do uso de máscaras e proteção ocular (óculos ou protetor facial), especialmente para quem lida com público ou área de saúde.

Quando as crianças podem voltar às aulas?
Sabe-se que o contágio ocorre por meio de contato direto com gotículas respiratórias (fala, tosse e espirros) de infectados e com o toque na face (olhos, nariz e boca), assim como em superfícies contaminadas. As crianças dificilmente vão respeitar as regras de distanciamento, o não compartilhamento de brinquedos e alimentos. Por tal, o distanciamento social é, ainda, a melhor ferramenta de combate ao contágio do Covid-19, especialmente para os casos assintomáticas (transmitem mesmo sem sintomas). E a volta às aulas deve ocorrer de maneira gradual, respeitando o distanciamento social, sendo uma ação de estratégia restritiva de cada município. O Ministério da Saúde do Brasil incluiu, recentemente, as crianças com idade inferior entre dois e cinco anos com síndrome gripal nos grupos de riscos, pois elas expressam significativa taxa de hospitalização pelo potencial risco da infecção pelo vírus influenza.

Como proteger as crianças do contágio de Covid-19?
Primeiramente é necessário mantê-las nas regras de distanciamento social, garantindo a saúde de todos, incluindo longe da contaminação por outras síndromes gripais como influenza. Ainda, é importante salientar sobre os cuidados contínuos de higiene das mãos, punhos e antebraço com água e sabão, uso do álcool quando não for possível lavar, usar máscaras quando tiver que sair à rua por necessidade e conversar com a médica de rotina antes de sair correndo para um pronto socorro infantil, local de potencial chances de contágio. No caso de sinais que indicam a possibilidade de Covid-19 ou outras síndromes gripais, fale com o médico assim que possível, porém, se a criança apresentar sinais de insuficiência respiratória, febre alta e outros sintomas graves, procure a emergência.

Dra. Fernanda Bombarda – CRM: 95033
 Pneumologia Infantil
Consultório: Av. Nova Cantareira, 291, sala 84 – 8ª andar – Tucuruvi – SP
11-2631-6679 - drafernandabombardapneumo@gmail.com

Contribuição Textual: Jornalista Carina Gonçalves - MTB 48326

11-4113-6820 / 11-98092-6021 - carinacgoncalves@gmail.com


Leia Mais ►

A telemedicina é o primeiro passo 
para o futuro do sistema de saúde mundial

 


A atual crise mundial da saúde já fez vítimas fatais, em todos os países. Independente de classe, idade, raça ou poder aquisitivo, o novo coronavírus pegou o mundo de calças curtas, tirando a liberdade dos cidadãos de ir e vir, de se relacionar com a família, amigos e até mesmo de cuidar de patologias já existentes. Neste quadro de extrema urgência, o Conselho Federal de Medicina viu a necessidade de autorizar a telemedicina, com o intuito de agilizar o atendimento médico e diminuir a enorme demanda, nos atendimentos das unidades de saúde públicas e privadas.

Como uma ótima opção para o sistema de saúde moderno, a VideoMedic desenvolveu uma plataforma que proporciona integração de consultas por telemedicina e atende Planos de Saúde, Hospitais e Policlínicas, consolidando esta prática, não apenas em época de pandemia e isolamento, mas também como um método inovador, com ótimo custo benefício, prático, produtivo e seguro para os médicos e seus pacientes, conforme as orientações do CFM.

Segundo o diretor da VideoMedic, Gabriel Dantas, além de contribuir para a não exposição dos especialistas e seus pacientes ao coronavírus, este sistema ainda ajuda na gestão e clínicas, hospitais, no agendamento e total controle sobre as consultas, dando ao profissional, acesso a um banco de dados exclusivo, de qualquer lugar do mundo. "O médico encontrará o prontuário de seu paciente, com informações e exames, aumentando a produtividade e a qualidade do serviço. Tudo dentro do padrão internacional de imagens médicas (Digital Imaging and Communications in Medicine)", completa Gabriel.

Os pacientes podem fazer o agendamento online de consultas, de qualquer lugar e hora, como também terão um amplo corpo clínico de qualidade, evitando assim a superlotação nas unidades de saúde. Desta forma, o paciente consegue respostas mais rápidas para suas dúvidas.

Na telemedicina da VideoMedic  a qualidade no atendimento, seja ele por patologias clínicas ou mentais, poderá aumentar consideravelmente, segundo estudos realizados recentemente. Os hospitais terão 38% menos internações, 31% menos reinternações, diminuição de diárias no hospital e, com a facilidade do atendimento online, os cuidados com a saúde envolverá uma demanda maior de pessoas. Além disso, a plataforma oferece atendimento de pacientes, para primeiras necessidades médicas, pacientes com problemas crônicos e uma Central de atendimento para dúvidas de Covid-19. É um sistema completo, que veio para revolucionar o atendimento médico mundial!

Fonte: assessoria de imprensa

Leia Mais ►

Cegueira não é sinônimo de incapacidade


Muitos portadores de limitações visuais são ativos e
conquistaram o mundo com seus talentos e habilidades

Por redação: Carina Gonçalves

Muitos deficientes visuais são vistos com certo preconceito pela sociedade e, até, desrespeitados em seus direitos estabelecidos pela LBI (Lei Brasileira de Inclusão). Vemos no cotidiano falta de sinalização em calçadas, falta de acessibilidade em locais públicos e privados com placas em braile que indicam informações sobre a presença de escadas, elevadores e obstáculos diversos. Desta maneira, é possível evitar acidentes, orientar e alertar pessoas de baixa visão ou totalmente cegas sobre os riscos à saúde e suas vidas.

Mas para Ari Protázio, cego de nascença, a vida o ensinou a ser mais forte para seguir em frente, buscar a realização de seus sonhos e colocar em prática todos os seus projetos. Tanto que sua deficiência visual nunca foi obstáculo para nada e, hoje, ele é pianista e cantor, atua como tecladista, produtor musical, técnico de áudio em seu próprio estúdio de gravação, é Youtuber, palestrante, escritor e consultor de acessibilidade também. Parece muita coisa? Talvez para quem não busca por seus sonhos sim, mas para ele ainda é pouco.

Ativo profissionalmente desde os 16 anos de idade, iniciou suas experiências como demonstrador de pianos em uma loja de instrumentos musicais, que lhe garantiu ter contato com diversos músicos como o sertanejo Donizete e Benito Di Paula para tocar em seus shows. Agora, com o advento Covid-19, suas apresentações e palestras ao vivo, com plateia, estão paradas. E sua maior ocupação está ligada às gravações para o seu canal no YouTube, que o mantem em contato com o seu público e amigos.  

Quando perguntado sobre os maiores desafios que enfrenta no seu dia a dia, ele é enfático ao dizer que não é a ausência de visão, mas a desconstrução de preconceitos que acercam as pessoas com limitações visuais, pois, é muito comum serem pré-julgados como inválidos ou dependentes. “É equivocada essa ideia, somos iguais à todos, cegueira não nos define como pessoas, somos pessoas capazes, com talentos e dificuldades como qualquer outra, apenas temos uma limitação. Se tivermos acessibilidade adequada, não temos como nos sentir vulneráveis nunca!”, comenta Protázio.

E com a epidemia, o distanciamento social, o músico tem saído pouco de casa, apenas quando muito necessário, sempre ao lado da esposa, sua companheira e amiga. “Se eu precisar sair sozinho, talvez encontre resistência de algumas pessoas em ajudar por receio de contaminação do Covid-19, pois o toque é necessário e é, também, o maior meio de contágio. Outros deficientes visuais que não possuem ajuda de parentes e amigos devem sofrer mais apuros na rua. Agora, mais do que nunca, creio que o contato e a relação entre as pessoas sofreram muito com tudo o que acontece, pois só podemos nos falar por meio de celulares e redes sociais”, lamenta.

Ele comenta que os programas de TV e os telejornais deveriam se preocupar em ter leitura de telefones e outros dados que são apresentados em gráficos, por exemplo. “Quando estou acompanhado da minha esposa, eu recebo estas informações, mas quando não, fico perdido até para assistir novelas e filmes”, ressalta. Em relação às políticas públicas, Ari lembra que existem leis que deveriam facilitar a vida dos deficientes visuais, mas não são respeitadas e deveriam contribuir, inclusive para o momento atual.

Apaixonado pela vida, mesmo diante deste cenário triste para o mundo, o músico diz que raramente sentiu dificuldades por ser cego, apenas se chateou algumas vezes por ser ignorado em situações que alguns atendentes de serviços médicos se dirigiram aos seus acompanhantes, em vez de falar diretamente com ele, paciente na ocasião. Fora estes episódios, ele espera que as pessoas compreendam o que realmente tem valor na vida, após a pandemia. “Não devemos ignorar o outro por ser diferente e tão pouco pré-julgar por quaisquer limitações”, finaliza.


Sobre o entrevistado: Ari Protázio é pianista e cantor, atua como tecladista, produtor musical, técnico de áudio em seu próprio estúdio de gravação, Youtuber, palestrante, escritor e consultor de Acessibilidade. Para contratar suas palestras, apresentações e ou comprar seu livro, acesse: https://ariprotazio.com.br/
Leia Mais ►