Espetáculo Entre Vãos acontece, simultaneamente, 
em três endereços da cidade



Montagem do coletivo teatral A Digna em parceria com o grupo Um Cafofo propõe uma experiência cênica pulverizada que transita entre fronteiras de linguagens, oferecendo ao espectador um encontro vivo com histórias reais, ficcionais e paisagens paulistanas. Entre Vãosestreia dia 23 de abril, sábado, às 15 horas. As sessões acontecem sempre aos sábados e segundas-feiras.

Durante o processo, A Digna mergulhou na realidade do Edifício São Vito, um prédio de arquitetura modernista, popularmente conhecido por Treme-Treme, que foi concebido como opção de moradia popular na baixada do Glicério e acabou demolido em 2011.

Para dar coesão à história de quatro personagens que acontece em três endereços diferentes, ao mesmo tempo, o grupo convidou o diretorLuiz Fernando Marques, experiente em montagens em lugares não convencionais como nas peças do seu Grupo XIX de Teatro e na recenteOrgia ou de Como os Corpos Podem Substituir as Ideias, da Cia Teatro Kunyn.

A experiência começa antes mesmo da cena. Pelo site do espetáculo www.adigna.com/entrevaos o público escolhe o local e a personagem que deseja acompanhar: uma balconista que trabalha numa loja de paletas mexicanas na Santa Cecília; um livreiro de um sebo no Anhangabaú; ou uma mulher, conhecida como Anjo de Corredor (pessoa que guiava os moradores nas dependências do edifício, normalmente sem luz elétrica, até seus apartamentos), que mora próxima ao metrô Marechal Deodoro.

A quarta personagem é Walkyria Ferraz, uma espécie de empreendedora comercial que passa pelas outras histórias e se desloca de um ponto ao outro enquanto a peça se desenrola.

No site do espetáculo, as personagens fazem um convite ao espectador por meio de vídeos. As cenas, imagens e textos funcionam como prólogo da peça e dão pistas sobre as histórias. Após finalizar a compra do ingresso, o espectador recebe um e-mail com orientações e o endereço para o ponto de encontro próximo a cada história.

No ponto de encontro marcado, cada grupo, formado por até 15 pessoas, caminha para os locais onde se desenrola cada história individual. Após o término dessa cena, os espectadores são convidados a acompanhar sua personagem em um percurso a pé e por meio de transporte coletivo até outro ponto da cidade. No trajeto, o público é guiado por um áudio composto de músicas e textos que sugerem colagens entre sons, a história contada e as paisagens do caminho. Ao fim do percurso, as quatro personagens e os três grupos de espectadores se encontram para a cena final.

Para sincronizar as ações, o uso da tecnologia é determinante, por isso a parceria com o coletivo Um Cafofo – Núcleo de criação artística que mescla variadas vertentes das artes e das tecnologias em suas obras – que propõe novas camadas de fruição, além de estabelecer os elos entres as cenas.

O desafio do diretor foi potencializar essa dinâmica. “A proposta dialoga com a linguagem que eu costumo trabalhar, por ser num espaço não convencional, pelo envolvimento do público e a ideia do seu deslocamento. Durante o processo fiz provocações no sentido de trabalhar a relação com a plateia, transformando esse texto pronto numa conversa e deixando que o espaço também conte a história”, explica Marques.

Desde 2010, A Digna aborda em seus trabalhos os lugares, as pessoas e os modos de vida de São Paulo, além das constantes tentativas de superação dos obstáculos impostos pela cidade. Em 2014, a peça Condomínio Nova Era tratava da questão do despejo e da desocupação violenta. Agora, Entre Vãos aprofunda o olhar sobre a metrópole e as maneiras individuais em que o espaço urbano é vivido por diferentes cidadãos.

A proposta do espetáculo, contemplado pelo 2º Prêmio Zé Renato da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, é refletir sobre as dinâmicas da cidade partindo do extremo da vida privada para o extremo do espaço público.

“Por afetar a vida particular de centenas de cidadãos, a demolição do Edifício São Vito serve de ponto de partida para a reflexão sobre o despejo físico e simbólico de inúmeras pessoas. A cidade se transforma e obriga os cidadãos a refazerem suas histórias, ao mesmo tempo em que essas novas histórias colaboram para a contínua transformação da cidade. A intimidade mais profunda de cada um e a sua relação com o que é público permeia todos os meus textos”, explica o autor Victor Nóvoa.

Para o diretor Luiz Fernando Marques, o espetáculo trata sobre a especulação imobiliária por meio da dinâmica econômica e social, porém, de um ponto de vista pessoal. “A peça é um convite para que a plateia perceba o indivíduo no meio do todo. É um estímulo para reflexão sobre a cidade a partir da individualidade. Um arranha-céu importante para o crescimento econômico desaparece e o sentimento de expulsão fica em cada um de nós. E isso é a nossa responsabilidade como cidadãos.”

Sobre A Digna
Formada em 2010 por Ana Vitória Bella, Helena Cardoso e Victor Nóvoa. Desenvolve criações que perpassam os lugares, as pessoas e os modos de vida da cidade. Suas pesquisas são baseadas na constante tentativa de superação dos obstáculos impostos pela cidade e as maneiras particulares em que o espaço urbano é vivido por diferentes cidadãos.  Na tentativa de compreender como a poesia pode brotar do cotidiano paulistano, o grupo focaliza as atenções para os traçados e memórias pessoais de moradores da cidade.

Principais trabalhos:
Desencontro (2010) - intervenção urbana a partir do poema homônimo de Affonso Romano de Sant’Anna.
Quase-Memória (2012) – o espetáculo teatral com texto de Victor Nóvoa entrelaça quatro histórias de sujeitos trespassados por situações-limite em suas vidas. Recebeu a indicação ao Prêmio 2012 da Cooperativa Paulista de Teatro, na categoria “Trabalho apresentado em espaços não convencionais”. Bolo de Lobo (2012) – espetáculo para crianças dirigido e escrito por Victor Nóvoa a partir da obra Chapeuzinho Amarelo, de Chico Buarque, premiado como o 2º melhor espetáculo infantil do 9º Festival de Teatro de Limeira.
Denise Desenha nas Paredes (2014) – espetáculo para crianças dirigido por Vinícius Torres Machado, contemplado pelo 18º Cultura Inglesa Festival e pelo Proac 12/2014.
Condomínio Nova Era (2014) – espetáculo teatral dirigido por Rogério Tarifa, contemplado pelo Proac 11/2013.

Sobre Um Cafofo
Dupla de criadores, composta por André Grynwask e Priscila Argoud, que mescla vertentes das artes e das tecnologias no desenvolvimento de projetos de arte. Nas Artes Cênicas destacam-se: Splash - A História da Gota que Sonhava ser Rio, espetáculo infantil contemplado com o Prêmio Zé Renato, onde desenvolve o conteúdo audiovisual interativo em forma de game jogado em tempo real pelos atores; Denise Desenha nas Paredes, d’A Digna Companhia, realizado no 18º Cultura Inglesa Festival, responsável pelo videomapping; Rain Man, dirigido por José Wilker, também respondendo pelo videomapping; Quem Apagou a Luz?, espetáculo infantil para o qual criou o conteúdo audiovisual interativo; Medida por Medida, do Galpão Folias D’Arte, do qual assinam a trilha sonora e o projeto audiovisual de edição ao vivo da gravação do espetáculo que foi selecionado para participar do Sound Kitchen da 12ª Prague Quadrennial of Performance Design and Space, na capital da República Tcheca. Também desenvolveu as Instalações de Arte & Tecnologia M.O.V.E., Volpi#25Totó#PebolimGame de Roda e Viva Cazuza, em diversas unidades do SESC, Museu da Língua Portuguesa e Oficina Culturais do Estado.

Ficha técnica:
Direção: Luiz Fernando Marques Diretor assistente: Paulo Arcuri Dramaturgia: Victor Nóvoa Elenco: Ana Vitória Bella, Helena Cardoso, Laís Marques e Plinio Soares Videografismo e Tecnologias: Um Cafofo (André Grynwask e Priscila Argoud) Cenografia e iluminação: Marisa Bentivegna Assistente de cenografia e iluminação: Amanda Vieira Trilha sonora: Carlos Zimbher Figurinos: Eliseu Weide Cinegrafista e Edição de vídeo: Bruno Araújo Atriz convidada (vídeo Anjo de Corredor): Therezinha Nogueira Equipe de Apoio: Arce Correia, Catarina Milani e Rodrigo Bertucci Transporte: Ocimar Costa Fotos: Alécio Cezar Programação visual: Vertente Design Produção: Ariane Cuminale Concepção: A Digna e Um Cafofo

Serviço:
ENTRE VÃOS – Estreia dia 23 de abril, sábado, às 15 horas.
Temporada: Sábados e segundas-feiras, às 15h, até 20 de junho.
Ingressos: R$10,00.
Duração: 110 minutos (incluindo os deslocamentos).
Classificação indicativa: 16 anos.
Capacidade: 15 lugares.
Endereço de cada ponto de encontro - A peça acontece nas imediações das estações Marechal Deodoro, Santa Cecília e Anhangabaú. As reservas, assim como as informações de logística de encontros só serão passadas via site da obra - www.adigna.com/entrevaos
Telefone para informações: 11 98846-6080

Fonte: assessoria de imprensa

Receba nosso News Letter

Anuncie aqui

Saiba mais: 11-4113-6820